Publicado em 25/02/2011 - 16:46

Câncer de Mama: preocupação recorrente entre as mulheres



O câncer de mama cada vez mais vem acometendo as mulheres, que muitas das vezes não sabem o motivo desta doença e como prevení-lá. Incomum, porém, não raro em mulheres jovens, o câncer é muito mais agressivo e pelo menos 30% das mulheres mais jovens que o adquirem morrem em cinco anos.
Com o intuito de esclarecer as mulheres dúvidas sobre esta doença, o Jornal Ponto Final entrevistou o Médico Mastologista Dr. Shinaider Fonseca Rosa, formado na Faculdade de Ciências Médicas de Minas Gerais em 2004.

Jornal Ponto Final: Qual é a causa do câncer de mama?
Dr. Shinaider: O câncer de maneira geral é uma alteração genética que tem em algumas células, e ela começa a proliferar de forma exacerbada, o organismo não consegue segurar o crescimento dela, ou então destruir essa célula como se fosse uma célula doente. Então essa alteração genética acusa o aumento da proliferação, que vira o câncer. Tem vários fatores de risco pra isso, uma causa específica pra saber isso que causou o câncer de mama, não tem como saber não, mas é uma alteração genética que alguma célula teve por alguma lesão.
JPF: Quais são os sintomas principais?
Dr: Shinaider: Seriam nódulos na mama, se ela perceber algum nódulo diferente na mama dela ou então alguma alteração na conformação da mama, no espelho mesmo, supondo que ela faça o auto-exame, ao levantar os braços, ao ficar em frente ao espelho e ela sentir alguma alteração visual da mama, ou uma modelação que ela consiga apalpar ou alguma secreção saindo pelo mamilo, uma secreção que seja sangue ou então um líquido claro, ou então alteração na pele do mamilo mesmo, também pode aparecer como câncer de mama. Inicialmente o câncer de mama não causa dores não, na fase inicial ele não causa dor, que a gente aborda o câncer de mama fazendo mamografia anualmente, a partir dos 40 anos, pra gente diagnosticar o câncer antes da paciente perceber, antes de ter sintomas mesmo, só quando a lesão já está avançada que realmente dá sintomas.
JPF: Quais são os tipos de tratamento?
Dr. Shinaider: Isso depende muito do estágio que está a doença, o câncer inicial tem um tratamento e o câncer avançado já tem outro tratamento, isso realmente varia muito do tipo do câncer, do estágio que ele se encontra. A lesão inicial a gente pode simplesmente ressecar a lesão e fazer talvez radioterapia, tem alguns casos que nem precisa fazer quimioterapia, só toma o hormônio. Agora tem casos avançados que o primeiro tratamento tem a quimioterapia que aí tenta regredir o tumor pra depois a gente conseguir operar. As quatro armas que a gente tem hoje no câncer, no câncer avançado é o procedimento cirúrgico, a radioterapia, a quimioterapia e o tratamento hormonal, pra combater o câncer de mama.
JPF: Além das mamografias, existem outros tipos de prevenção?
Dr. Shinaider: Existem duas vertentes de prevenção, tem a prevenção primária e a prevenção secundária. A prevenção primária é a gente evitar a formação do câncer, é ter um hábito de vida saudável: fazer prática de atividades físicas, evitar o consumo de álcool, evitar o consumo de gordura – principalmente animal – e, fazer uso também de uma dieta rica em vegetais, fibras; isso tudo é a prevenção primária, outra coisa também, que os estudos provam pra gente, é o primeiro filho antes dos 30 anos de idade. Hoje cada vez mais, a mulher está tendo filho com a idade mais avançada, o primeiro filho em idade jovem, também previne contra o câncer de mama. Além disso, tem a prevenção secundária, que é a gente diagnosticar o câncer numa fase inicial evitando um câncer mais avançado ainda, seria o exame físico das mamas, um profissional de saúde examinar as mamas da mulher uma vez por ano, a partir dos 40 anos de idade e, fazer também a mamografia uma vez por ano, porque na mamografia a gente consegue diagnosticar as lesões iniciais sem ser palpáveis ainda, isso pra mulheres que não tem alto risco que são mulheres que tem alguma mutação existente na família. Os exames não são substituídos um pelo outro, um complementa o outro, geralmente mulher a partir de 40 anos a gente faz a mamografia, se a gente percebe alguma alteração que justifique fazer o ultra -som a gente solicita, seria uma complementação da mamografia, agora mulheres mais jovens, que a mama é muito densa ainda, se ela tiver um nódulo, a gente pede um ultra – som.
JPF: Em Mariana tiveram alguns casos de câncer em mulheres com menos de 30 anos de idade. Por que isso acontece e quais são os riscos?
Dr. Shinaider: Câncer de mama em mulher jovem realmente não é muito comum não, geralmente esses casos eles envolvem quem tem uma herança genética, uma mutação de um gene que chama BRCA2 ou BRCA1, esse geralmente acomete mulheres mais jovens e geralmente tem mais casos na família também. A portadora do câncer de mama tem alguns riscos pra recidiva, ou seja, pra doença depois de um tratamento inicial aparecer de novo e aí, geralmente os casos já estão mais avançados. A mulher jovem ela tem mais anos de vida, então a chances de ela ter uma recidiva é maior.
JPF: A área mineradora na qual moramos pode influenciar ou prejudicar o câncer de mama?
Dr. Shinaider: Não, não tem nenhum estudo mostrando que nenhuma ocupação específica possa aumentar as chances do câncer de mama não.
JPF: Uma pessoa que adquiriu a doença leva, em média, quanto tempo para ficar curada?
Dr. Shinaider: Eu realmente eu não uso a palavra cura não, o câncer de mama ele tem tratamento. Dependendo do estágio que está a paciente não tem recidiva, não vai aparecer em mais nenhum local do corpo dela, não vai voltar na mama e ela vai viver longos anos e vai morrer de outra coisa, se alguém quiser chamar isso de cura, tudo bem, eu prefiro chamar de controle.
JPF: Existem novas descobertas feitas recentemente sobre a doença e seu tratamento?
Dr. Shinaider: A Mastologia é uma ciência que tem muitos trabalhos publicados, mais pra parte da quimioterapia. Antigamente a paciente que estava com câncer de mama já pensava que ia perder a mama, hoje a gente tem a biópsia de linfonodos sentinela que a gente vai neutralizar só o linfonodo, a gente resseca um ou dois linfonodos, se eles não estiverem comprometidos com o câncer a gente não precisa ressecar a axila toda. Então hoje o câncer de mama se for diagnosticado precocemente, a paciente não é mutilada não, só fica uma pequena cicatriz e só é retirado um ou dois linfonodos e, isso já tem anos.
JPF: A maioria das mulheres também tem medo da mamografia, de sentir dor e pela vergonha também. O que o senhor acha, tem razão pra esse medo mesmo?
Dr. Shinaider: Eu acho que mais preocupante a paciente que tem medo do câncer e geralmente tem nódulo e não quer ir ao médico, fica com medo do médico falar que tem câncer e isso só complica mais, porque o câncer de mama no diagnóstico precoce o tratamento é bem mais tranquilo, a abordagem é muito melhor pra gente. Essas pessoas que tem medo de vir no médico mostrar pra gente, geralmente quando chega no médico o nódulo já está muito avançado, está complicado, a chance dela ter uma doença nesse tempo é muito maior. Então eu acho que o medo de ir no Mastologista, de saber que tem câncer, esse medo de fazer mamografia pra ver se acha alguma coisa tem que ser superado, então tem que imaginar isso: tem que fazer exame, pra eu saber se eu tenho alguma coisa, porque se tiver eu vou tratar assim que for diagnosticado.