Publicado em 10/09/2010 - 8:28

O descaso com a saúde pública e as desigualdades



Ao demonstrar as principais questões existentes na Saúde Pública surge junto a este fato o descaso das autoridades para com os funcionários da Prefeitura que perderam como foi mostrado na matéria do Jornal Ponto Final, publicação desta semana, atingindo uma grande gama da população do município de Mariana. A matéria “pagamento de um serviço que seria prestado pela Rádio Mariana de um anúncio da Expo Mariana com um computador doado para Secretaria de Educação”. O assunto tomou dimensões maiores, pois esta denúncia envolve o secretário da Assessoria de Comunicação da Prefeitura de Mariana, Arlindo Luís.

Ao ler assuntos como este certamente algo diferente, alheio aos interesses de um povo sofridos passa a ser referendado de forma absurda. Quem é o responsável? A quem caberá a obrigação de prestar conta, pois ao ceder em pagamento entrega de um bem doado, a lei de responsabilidade fiscal passará a ser a grande protetora do patrimônio público do município. Acabar com uma estrutura de saúde no município seria elevar o número de doenças já que o descaso mostra o esquecimento que passa Mariana. A política pública na área de saúde em Mariana vive em baixa, demonstrando neste desinteresse a imagem quiçá os atos de alguns políticos, que receberam da comunidade através do voto o direito de representação.

A saúde afetada, a comunidade torna-se morta, porque sem saúde não existirá vida. Este sofrimento pode ser nominado de SIM ou NÃO, ou QUE é, ou QUEM FOI, pois ainda buscam negar a verdade, que e a eleição da prefeita Terezinha Ramos, que foi afastada sem ser cassada. “Procurado pela Redação para o esclarecimento dos fatos, já que pagamento através de computador seria ilegal, colocando em dúvida os fins do evento, o chefe de gabinete Jésus Sinhá, com o conhecimento dos fatos preferiu não se manifestar nesta semana para conhecer melhor o acontecido e se prontificou em esclarecer nos exemplares deste semanário na semana que vem”. A saúde é um trabalho inerente se este falir, será difícil ter uma vida saudável numa cidade que tinha de tudo, mas com pouco tempo conseguiram destruir.

Devemos observar e examinar detalhadamente os processos pelos quais á saúde pública está sendo tratada principalmente pelo poder público em relação aos cidadãos como um todo. De maneira geral, de acordo com a Constituição Brasileira a saúde é questão de cidadania. Portanto, deve ser acessível a todos, e ter profissionais devidamente qualificados para oferecer um atendimento de qualidade para àqueles que procuram atendimentos médicos nos órgãos públicos de saúde. Se fizer um levantamento uma pesquisa de campo em Mariana, com base na história oral, ou seja, na realidade contada pelos próprios moradores que passaram a ser atores desta dificuldade, encontraremos presente na fala de tantos que desatenção, expressão dos maus tratos, atinge diretamente o cidadão no que tange ao direito a uma boa saúde, com isto filas vergonhosas para a assistência médica descortesia nas unidades de saúde; Os profissionais da saúde diante de pessoas fragilizadas pelas doenças; vive com seus corredores superlotados nos serviços de pronto-socorro; disputas por fichas para exames complementares tantas vezes desnecessários; longas esperas em bancos desconfortáveis para a realização de uma consulta ou exame. Dessa forma, para falar sobre a problemática da saúde pública, faz se necessário entender o que é medicina e doença, principalmente, como objeto de estudo sendo, portanto, fácil de ser vista que a desigualdade é inevitável.

Saúde é muito mais que não ter doença. No nível coletivo, populacional, a saúde insere-se na noção mais ampla de condições de vida. Saúde é um direito fundamental do homem, sendo reconhecida como o maior e o melhor recurso para o desenvolvimento social, econômico pessoal, como também uma das mais importantes dimensões da qualidade de vida. Mariana, seu povo deve acordar e lutar para que médicos e responsáveis pela saúde falem dela, e que nunca a administração pública “Prefeitura” pague com doações, a prestação de serviços de terceiros. A Informática certamente é de fundamental importância, que deixem o computador doado a serviço do Município.

Antonio Freitas Neto